Cinco e quarenta e cinco

02.05.2018

 

Era fim de tarde.


Era fim de tarde e durou para sempre.


Foi o entardecer mais longo dos últimos cinco anos (ou mais). Custei a acreditar. Passei umas duas horas tentando ferver água pro café, me perdia na quantia, coloquei açúcar sem querer, pra ver se resolvia e adoçava a vida. Transbordava. O copo quase trincou uma porção de vezes e depois as poucas bolhas que formaram, brincavam tirando minha atenção. Andava de um lado pro outro, olhava para o relógio como se estivesse perdendo hora, como se estivesse perdida na vida. Naquele momento percebi que não estava em mim, mas vagava longe, quase que meus pés não tocavam o chão.

 

Me chamaram pelo nome duas vezes. O telefone tocou, demorei para atender. Estava tudo meio soando como um grito no vácuo. Olhava pro lado de fora da janela, que tinha mais ou menos o meu tamanho. Recordo-me de quando nós nos perdíamos rindo e você dizendo que eu era pequena e caberia em qualquer canto. Será que por isso cabia em você?

 

Esbocei um sorriso. Lembrei da sua voz, de como me tiraria do sério e também não faríamos o café, nem lembraríamos de café, nem da água ou de fervê-la. Não lembraríamos de qualquer coisa a não ser um ao outro e ali. Nem contaria as horas ou repararíamos na cor do céu.

 

A luz entrava pela abertura e a segui. Encostei em suas beiradas e podia ver o telhado à frente. Ouvia o barulho de chuva, sentia seus respingos, até mesmo olhara diversas vezes a água escorrer. Percorria pelos cantos até chegar ao chão. Mas fazia sol. Será que chove aqui dentro? Fechei os olhos e a barulheira só aumentava. Pude perceber que quanto mais ficava em mim, mais aquele murmuro aumentava e quanto mais eu abria os olhos, alguma coisa por dentro remexia.

 

Era uma inquietude que vinha de dentro e invadia tudo ao meu redor. Aquilo me tomou tanto, que certo momento não conseguia mais organizar meus pensamentos. Feito cega fui tateando pra não enxergar a realidade. Quase perdi o caminho e me desencontrei. Ranhuras, esboços, papéis amassados com inúmeras confissões, que foram jogados num canto. Quase me perdi e por pouco tudo não escureceu. Era só a chuva que me assustava, mesmo sabendo que passaria. Era só a chuva e hora ou outra o tempo abre.

 

Me vi nesse silêncio quase egoísta de quem tem muito à dizer e pouco diz, só estava ali, encostada numa janela que não deixava a luz entrar, já cansada demais de viver na superfície. Já sem esperança nenhuma, desço as cortinas, ligo o fogo e conto até três.

 

Um, dois, três copos d’água.

 

Era só começar tudo outra vez, eram só cinco e quarenta e cinco da tarde. Ainda dava tempo de fazer o café, ainda dava tempo de voltar à viver. Era só olhar pra frente, era só esquecer você.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now